IVG: a Mulher decide, a Sociedade respeita, o Estado garante

quarta-feira, dezembro 13, 2006

Nota de imprensa à Revista Visão - Artigo sobre os Movimentos de cidadãos(ãs)

A revista Visão, na sua última edicção de 07 de Dezembro de 2006, publicou um artigo sobre os rostos dos Movimentos de cidadãos/ãs que irão intervir no Referendo sobre o Aborto. Não tendo sido, o Em Movimento pelo SIM, contactado nem mesmo referido nessa peça, decidiu emitir a seguinte nota de imprensa dirigida à jornalista responsável pelo artigo e à Direcção da Visão.


À
Direcção da Revista Visão

Ex.mos Senhores,

O Movimento pela Despenalização da IVG foi publicamente anunciado em Fevereiro de 2006, em Lisboa, afirmando-se como um espaço de reflexão e debate sobre as questões da IVG e com o objectivo de exigir à Assembleia da República, no âmbito das suas competências, a alteração do actual quadro penal, por via de um abaixo-assinado. Foram recolhidas cerca de 47.000 assinaturas, entregues na Assembleia da República a 15 de Setembro - dia da abertura da 2ª Sessão Legislativa.

No dia 19 de Outubro, aquando da aprovação na Assembleia da República da proposta de realização de um referendo nacional sobre a despenalização da IVG, o Movimento pela Despenalização anunciou publicamente a sua constituição como Movimento de Cidadãos para intervir eleitoralmente no referendo na defesa do SIM.
No passado dia 29 de Novembro, o Movimento anunciou em Conferência de Imprensa a sua denominação como movimento de cidadãos (Em Movimento pelo SIM), os objectivos e a natureza da campanha que pretende realizar bem como algunsdos nomes de cidadãos que integram este movimento.

Ao longo destes meses de trabalho, o Movimento sempre manteve uma estreita relação com a Comunicação Social, por via de conferências de imprensa, notas à imprensa ou participação em iniciativas do domínio público. Assim, é com alguma estranheza que encaramos o artigo publicado na última Visão (7.Dezembro.2006, pág. 52-56), da autoria da jornalista
Alexandra Correia, sobre os "rostos" dos movimentos de cidadãos que irão protagonizar este referendo, omitindo um espaço de reflexão e trabalho como é o Em Movimento pelo SIM e preterindo deste modo o conjunto de cidadãos que há mais tempo está envolvido nesta causa e o primeiro a anunciar publicamente a sua intervenção eleitoral. Parece-nos ainda mais contraditório o facto incluir ao longo do texto referências a vários movimentos defensores do SIM (excepto o Em Movimento pelo SIM) e até a uma organização defensora do não - Mulheres em Acção - que, até à data, não se pronunciou pela participação eleitoral no referendo como Movimento de Cidadãos.

No sentido de evitar possíveis exclusões deste movimento, consideramos importante fazer-lhes chegar os nossos contactos e endereço na internet para futuras matérias que visem esta temática ou, apenas, para conhecerem um pouco mais aprofundadamente o trabalho desenvolvido e amplamente divulgado ao longo destes 10 meses:
http://peladespenalizacaodaivg.blogspot.com/
Natacha Amaro